As formas manifestações da força segunda a contração muscular

Treino deve ser adequado à modalidade esportiva praticada
Os resultados de um treino são bastante específicos ao programa de treinamento empregado. Para que um programa de treinamento de força desenvolva força e potência, ele precisa ser elaborado de forma cuidadosa para se adequar às necessidades específicas da modalidade esportiva.
 
Por isso, parte do treinamento deve contemplar movimentos que simulem ao máximo o esporte praticado, seja no que diz respeito ao padrão quanto à velocidade necessária para a prática do futebol, por exemplo.
 
Formas de treinamento de força
 
a)     Treinamento isométrico – é um tipo de treino estático que provoca enormes ganhos de força – superiores aos dos métodos de ação dinâmicos. As ações estáticas são importantes no trabalho de reabilitação pós-operatória de atletas, quando o membro é imobilizado e, por isso, não tem condições de executar ações dinâmicas. Facilita, portanto, a recuperação, reduz a atrofia muscular e a perda de força.
 
b)     Pliometria – é um treinamento que tem como objetivo melhorar a capacidade de salto. Utiliza o reflexo de estiramento, para facilitar o recrutamento de unidades motoras adicionais. Também adiciona uma carga aos componentes elástico e contrátil do músculo. A literatura científica existente concluiu que a Pliometria ainda não é suficiente para determinar a sua superioridade em relação às técnicas tradicionais de treinamento.
 
c)     Treinamento excêntrico – este tipo de treinamento enfatiza a fase excêntrica, em que a capacidade do músculo de resistir à força é aproximadamente 30% maior do que nas ações concêntricas. Segundo a teoria, submetendo-se o músculo a esse maior estímulo de treinamento, ocorre um maior ganho de força. No entanto, as pesquisas realizadas não apresentaram uma nítida vantagem do treinamento excêntrico em relação ao treino de ação concêntrica e do de ação isométrica, mas demonstraram a importância da inclusão da fase excêntrica da ação muscular juntamente com a fase concêntrica para maximizar os ganhos de força e de tamanho (WILMORE, J.H. e COSTILL, D.L., 2001).
 
d)     Pesos livres – oferecem vantagens que os aparelhos de resistência não possuem, já que os atletas têm de controlar o peso que está sendo levantado e recrutar mais unidades motoras – não apenas dos músculos em treinamento.
 
e)     Treinamento com estimulação elétrica – esta técnica mostrou-se eficaz no ambiente clínico. É utilizada para reduzir a perda de força e de tamanho musculares durante períodos de imobilização e para restaurar a força e o tamanho durante a reabilitação. De forma experimental, também tem sido utilizada para treinamento de atletas saudáveis que buscam aumento da força muscular, apesar de ainda não haver evidências de ganhos maiores do que aqueles obtidos com um treinamento mais convencional.
 
Os ganhos de força decorrentes do treinamento são muito específicos à velocidade do treino. O teste com velocidade elevada também revela ganhos máximos de força em comparação com o teste realizado com velocidades menores. Como a maioria das modalidades esportivas requer velocidade elevada, é conveniente que os atletas também executem parte de seu treinamento de força com velocidade acentuada.
 
Bibliografia
 
WILMORE, Jack H.; COSTILL, David L. Fisiologia do Esporte e do Exercício. 2ª ed. Editora Manole, 2001.