Substancias Dopantes Proibidas

Estimulantes
Amfepramone, amfetaminil, amineptine, amiphenazole, amfetamina, bambuterol, bromantan, benzophetamine, caffeina*, carphedon, catina, ** cocaina, chlorphentermine, clobenzorex, clorprenaline, cocaína, cropropamide, crothetamide, dimetanfetamine, ephedrina**, etafedrine, ethamivan, etilamphetamine, etilefrine, fencamfamine, fenetylline, fenfluramine, fenproporex, formoterol, furfenorex, heptaminol, mdea, mefenorex, mephentermine, mesocarb, methamphetamina, methoxyphenamine, methylendioxyamphetamine, methylephedrina**, methylphenidate, morazone, nikethamide, norphefluramine, parahydroxyamphetamine, pemolina, pentetrazol, pentylentetrazol, phendimetrazine, phenmetrazine, phentermine, phenylephedrine, phenylephrine§, phenylpropanolamine, pipradol, pholedrine, prolintane, propylhexedrine, pseudoephedrine, pyrovalerone, reproterol, salbutamol***, salmeterol***, selegiline, striquinina, terbutalina*** e compostos correlatos.
Observa-se que algumas substâncias são positivas apenas quando encontradas acima de certas concentrações urinárias, para evitar problemas de ingestão alimentar ou contaminação por uso de medicações populares:
* cafeína será positiva sempre que apresentar-se uma concentração urinária superior a 12 microgramas/ml.
** catina será positiva sempre que apresentar-se em uma concentração na urina superior a 05 microgramas/ml. Efedrina e metilephedrina deverão estar acima de 10 microgramas/ml. Phenylpropanolamine e pseudoephedrina, em concentrações superiores a 25 microgramas/ml.

Tenha uma atenção especial para usar sem problemas medicações para asma:
***=salbutamol, salmeterol e terbutaline poderão usados, mas apenas sob forma de aerossol e especificamente para prevenir e/ou tratar asma e asma induzida pelo exercício. A autoridade médica poderá, eventualmente, solicitar uma espirometria para caracterizar a presença desta patologia. Assim mesmo, se o Salbutamol for encontrado na urina em concentração superior a 500 nanogramas/ml, o atleta poderá ser penalizado.
De qualquer forma, sempre que antiasmáticos forem utilizados, o médico responsável pela equipe, particularmente nos Jogos Olímpicos, deverá fazer notificações por escrito à autoridade médica relevante.
§ NOTA: preparações com imidazole são aceitáveis apenas para uso tópico; vasoconstritores como a adrenalina podem ser usados com agentes anestésicos locais. Preparações tópicas (ex. nasal, retal e oftalmológica) de adrenalina e phenylephrine são permitidas.
B.Narcótico-analgésicos, tais como:
Alphaprodine, anileridine, buprenorphine, dextromoramide, diamorphine (heroína), dipipanone, ethoheptazine, hydrocodone, levorphanol, methadone, morfina*, nalbuphine, pentazocine, pethidine, phenazocine, trimeperidine e compostos correlatos.
Para que a morfina seja positiva deverá estar presente na urina em concentração superior a 01 micrograma/ml, evitando falsos positivos por ingestão de pães decorados com sementes de papoula.
NOTA: codeína, dextromethorphan, pholcodine, dihydrocodeine, dextropropoxyphen, ethylmorphine, diphenoxilate, propoxiphene e tramadol são permitidos.


C. Agentes anabólicos:


1. Esteróides anabolisantes androgenizantes, tais como:
Androstenediol, androstenedione, bolasterone, boldenone, clostebol, danazol, dehydrochlormethyltestosterone, dehydroepiandrosterone (DHEA), dihydrotestosterone, drostanolone, fluoxymesterone, formebolone, gestrinone, mesterolone, metandienone, metandriol, metenolone, methyltestosterone, mibolerone, nandrolone, 19-norandrostenediol, 19-norandrostenedione, norethandrolone, oxandrolone, oxymesterone, oxymetholone, stanozolol, testosterone*, trembolone e compostos correlatos.
A relação de testosterona/epitestosterona superior a 6/1 será considerada como positiva, mas o atleta deverá ser submetido a um estudo endocrinológico, a uma análise isotópica e a testes sucessivos.

2. Beta-2 agonistas:
Bambuterol, clenbuterol, fenoterol, formoterol, reproterol, salbutamol*, salmeterol, terbutaline* e compostos correlatos, quando administrados por via sistêmica. *= vide estimulantes.
D. Diuréticos, tais como:
Acetazolamide, amiloride, bendroflurmethiazide, benzthiazide, bumetanide, canrenone, chlomerodrin, chlortalidone, diclofenamide, ethacrynic acid, furosemide, hydrochlorothiazide, indapamide, mannitol*, mersalyl, spironolactone, triamterene e compostos correlatos. *= proibido por injeção endovenosa.
E. Hormônios peptídicos, substâncias miméticas e análogos, tais como:
1. Gonadotrofina coriônica humana (HCG) – unicamente para homens:
É sabido que administração em homens de gonadotrofina coriônica humana e compostos correlatos levam ao aumento na produção endógena de esteróides androgênicos. Esta administração age de maneira similar ao hormônio luteinizante (LH), que esta presente na rota fisiológica de produção de hormônios masculinos. Sendo considerada como administração exógena de testosterona, o uso desta substância, seus compostos correlatos, e seus fatores liberadores ou análogos, é proibido.
2.Gonadotrofinas pituitárias e sintéticas (LH) – unicamente para homens:
Efeito semelhante ao HCG. Estão neste grupo clomifene, ciclofenil e tamoxifene.
3.Corticotrofina (ACTH, tetracosactide):
Tem sido usada para aumentar os níveis sangüíneos de corticóides endógenos, notoriamente para a obtenção dos efeitos euforizantes dos corticóides. A aplicação de corticotrofina é considerada equivalente ao uso de corticóide via oral, intra-muscular ou intravenosa. O uso desta substância, e seus fatores liberadores ou análogos, é proibido.
4.Hormônio de Crescimento (HGH, somatotrofina):
O uso de hormônio de crescimento no esporte é considerado antiético e perigoso devido a várias ações colaterais, tais como reações alérgicas, efeitos diabetogênicos e acromegalia. O uso desta substância, por seus fatores liberadores ou análogos, é proibido.
5.Fator de crescimento tipo insulina (IGF-1).
6.Eritropoietina (EPO):
Este hormônio pode ser utilizado para aumentar a formação de glóbulos vermelhos, melhorando a capacidade de transporte de oxigênio e, por conseqüência, o rendimento esportivo em modalidades de média e longa duração. O uso desta substância é proibido.
7.Insulina:
Permitida apenas para tratar o diabete insulino-dependente. Deverá ser feita notificação da patologia do atleta pelo endocrinologista ou médico da equipe. A presença de concentração anormal de hormônio endógeno, ou de seus marcadores para diagnóstico na urina de um competidor se constitui em ofensa, a não ser que seja acompanhado de documentação comprovando uma condição especial, possivelmente patológica.